Avançar

1
RESERVATÓRIO
2
CASA MARTA ORTIGÃO SAMPAIO
3
CASA TAIT
4
EXTENSÃO DO ROMANTISMO
5
ENTRE QUINTAS
6
BANCO DE MATERIAIS
7
RIO DA VILA
8
CASA DOS 24
9
ARQUEOSSÍTIO
10
CASA GUERRA JUNQUEIRO
11
EXTENSÃO DO DOURO
12
CASA DO INFANTE
13
BIBLIOTECA SONORA
14
ATELIÊ ANTÓNIO CARNEIRO
15
EXTENSÃO DA INDÚSTRIA
16
EXTENSÃO MATADOURO
17
BONJÓIA EXTENSÃO DA NATUREZA

EXTENSÃO DA INDÚSTRIA

1
RESERVATÓRIO
2
CASA MARTA ORTIGÃO SAMPAIO
3
CASA TAIT
4
EXTENSÃO DO ROMANTISMO
5
ENTRE QUINTAS
6
BANCO DE MATERIAIS
7
RIO DA VILA
8
CASA DOS 24
9
ARQUEOSSÍTIO
10
CASA GUERRA JUNQUEIRO
11
EXTENSÃO DO DOURO
12
CASA DO INFANTE
13
BIBLIOTECA SONORA
14
ATELIÊ ANTÓNIO CARNEIRO
15
EXTENSÃO DA INDÚSTRIA
16
EXTENSÃO MATADOURO
17
BONJÓIA EXTENSÃO DA NATUREZA

EXTENSÃO DA INDÚSTRIA

Com projeto de reabilitação do Arquiteto Guilherme Machado Vaz a futura Extensão da Indústria irá localizar-se nos armazéns industriais onde estavam instaladas as antigas oficinas da EDP, em Campanhã,  sob a Ponte do Freixo.

 

O complexo de edifícios é acessível através da Rua do Freixo e tem uma área de 14000 m2, dos quais 4150 m2 correspondem a armazéns a reconverter em espaços de carácter distinto.

 

O projeto prevê uma adaptação das funcionalidades dos novos equipamentos aos espaços existentes sem que esta implique a descaracterização da sua identidade industrial. As futuras instalações da Extensão da Indústria são, em si, uma parte do espólio – e também património industrial – a divulgar junto do público.

 

Pretende-se preservar a memória industrial do edifício através de uma intervenção minimalista, a qual permita salvaguardar a atmosfera original das oficinas e, simultaneamente, dotar os novos espaços com as condições necessárias ao seu perfeito funcionamento.

 

Reformula-se o espaço público exterior para o reorganizar e criar melhores condições de circulação automóvel e de peões, dotando-o de uma área plana ampla e polivalente, próxima da Extensão da Indústria, que permita a realização de eventos ao ar livre.

 

A capacidade do edifício se afirmar na cidade enquanto espaço cultural passa por uma componente icónica que se pretende introduzir através de uma arquitetura verbal e gráfica, que entende a palavra escrita como o mais forte dos símbolos. Estes elementos serão introduzidos nos pavimentos exteriores e na fachada do edifício.

 

Pretende-se que a intervenção se assuma assim uma mais valia arquitetónica e urbana na conservação e recuperação deste espaço, sendo intenção que a mesma seja um importante contributo para a valorização do lugar e da cidade.

 

O projeto sonoro desta estação do MdC ficará a cargo de Pedro Tudela.

 

Imagens—Atlas: António Alves (MdC) e esquiços dos cadernos de Guilherme Machado Vaz.

Endereço

Rua do Freixo 1071, 4300-219 Porto

Eixos

SONORO

MATERIAL