Voltar

Douro: Terra e Atmosfera

11
EXTENSÃO DO DOURO

Cadernos de esboços de Daniel Silvestre

Douro é nome de rio que transborda para as margens, tornando-se também nome de uma região. São cerca de 100km – desde Barca d’Alva, na fronteira com Espanha, até Barqueiros, quase a desaguar no Porto – em que o Douro é água e terra. Do seu longo curso [cerca de 900km], é aqui que Douro é nome de um encontro de água, pedras, plantas, animais e pessoas, e a chave por trás da qual este encontro pela primeira vez e também a última se dá.

Um terroir feito à mão. Os socalcos não existiam, foi preciso rebentar as fragas, desfazer as pedras xistosas das falésias tumulares que se levantavam nas margens mais expostas ao sol. Fazer o clima. O ar, o fogo, a terra e a água atingem aqui um ponto de equilíbrio de onde nasce uma forma de vida vegetal irrepetível, cuja fermentação converte no nobre e internacional Vinho do Porto.

Em primeira instância, esta exposição é uma experiência performativa que pode ser entendida como uma composição; trata-se de uma exposição que tem uma duração — articula, faz coabitar sons antigos e contemporâneos, depoimentos ouvidos, vozes do além e visões do passado projetadas no presente. É, na sua versão aérea, uma paisagem sonora. É uma (e)vocação animista da região, que convoca a voz dos homens, o canto das aves, o som metálico do xisto, o correr das águas e o sopro do vento.

Em contraponto, a terra, o chão, a matéria foram trabalhados e trazidos pelo atelier de arquitetura Skrei e o enólogo e produtor de vinhos Mateus Nicolau de Almeida, resultado de uma continuada e profícua colaboração na região do Douro, em Vila Nova de Foz Côa, em torno da criação de lugares para o culto do vinho. Juntos, oferecem-nos um panorama dessa demanda conjunta, desse inquérito aos segredos da região, na qual, sob a auspiciosa tradição dos monges cistercienses, dialogam conhecimento do passado e experimentação.
Claro que, em rigor, não se trata somente de conceber e montar uma exposição sobre o Douro, mas também o nosso tributo aos jardineiros da Terra.
Nuno Faria e Eglantina Monteiro

 

Com Pedro André, Daniel Silvestre, Roque Gameiro, Barão de Forrester, António Cruz Gomes, Michel Giacometti, SKREI, Domingos Alvão, Mateus Nicolau de Almeida, Adriano Nazareth, Étienne Hofmann, Emílio Biel.