Sítio Invisível

Voltar

Tatuagens de Luz

Download

© António Alves

Tatuagens de luz | Para uma imagem de Leonor de Almeida
Cláudia Clemente

Uma edição Documenta-Sistema Solar com o Museu da Cidade, autora homenageada da Feira do Livro do Porto 2020.

PVP: 19€
Excerto do livro

 

O que tinha eu, no princípio de tudo? Pouco, muito pouco, quase nada. Um quadro, três nomes, a memória descarnada de uma figura de mulher lá pelos anos 50. Pouco. Duas antologias com poemas e uma revista. Muito pouco. A recordação vaga de um filho na Suécia. Quase nada.

 

Tudo começou com um quadro: Leonor, esteticista e amiga da minha avó desde os anos 50, vendeu-lhe uma pintura surrealista, de João Moniz Pereira, que teria pertencido a Alexandre O’Neill. Resolvi seguir o rasto da senhora, na esperança de obter mais informações sobre a tela, e descobri Leonor de Almeida — não a Marquesa de Alorna, com quem partilha o nome —, mas uma das mais invulgares poetas do século XX.
Leonor, que se disfarçava usando uma peruca quando trabalhava como esteticista, foi uma autora surpreendente, aclamada pelos mais importantes críticos da época, de João Gaspar Simões («dos melhores poetas portugueses contemporâneos») a Jacinto Prado Coelho («dos casos mais extraordinários da poesia portuguesa»). A sua obra foi incluída em antologias, como a Antologia da Novíssima Poesia Portuguesa (1959), de Maria Alberta Menéres e E.M. de Melo e Castro, ou a Antologia de Poesia Portuguesa Erótica e Satírica (1965), de Natália Correia. Colaborou com poemas, artigos e entrevistas nos principais jornais e revistas dos anos 40 e 50. Viveu em Londres, Paris, Copenhaga. Publicou quatro livros de poesia. Depois desapareceu, e foi esquecida.
Cláudia Clemente